Header Ads

Breaking News

O Pendor do Lobo

Será que já se foi a vez do pastor como no passado foi do vigário e entre os dois, o do político de encantar o povo, e os arrabaldes da cidade?
Com bom humor, fala delongada e uma alocução otimista, o oposto do político no exercício do poder fora de campanha; e do padre que celebra a missa lendo; o “pastor dos últimos tempos” que mais parece um cineasta, fala sobre sua obsessão pelos fracos, necessitados, excluídos; de desejar a qualquer custo que seus seguidores tenham um futuro próspero cheio de paz, fortuna e felicidade.
Dessa forma seus seguidores sentem-se cultuados, cheios de confiança mesmo que tudo não passe de esperança e eles ainda tenham que ajudar, dando mais que recebendo.
Este cineasta espiritual, não veio das fileiras teológicas, mas dos livros de motivação mesclado com técnicas psicanalíticas fazendo dele o criador da igreja humanizada que canta, adora, vive e pensa como o mundo sempre pensou. E o mundo a amou e aceitou sua predicação, espiritualizando-se na forma ritual da oferta do dinheiro.
Enquanto os políticos se preocupavam com seus lucros; os padres com os santos, este diretor de produção espiritual que já não quer ser chamado de pastor (pois nunca foi), mas de apostolo, bispo, reverendo, e outros, foi assumindo gradativamente as lacunas das lideranças nacionais.
Mas tudo que começa (sem Jesus) um dia acaba. A questão semelhante às que fizera abrolhar este líder religioso fez vir ao mundo também um novo tipo de política que escora o povo com dezenas de programas sociais, envolve a família com exceção do pai (figura escassa), gratificando com escola, merenda, renda sem trabalho, funeral, cesta básica, café completo, isenção de tarifas publicas, creche, bolsa universitária; com isso, ocasionou a volta de milhões de lobos que estavam vestidos de ovelhas nas igrejas, à suas alcatéias de origem.
Com isso, o pendor dos lobos não se contentou mais com a esperança de dois pássaros voando, mas sim, de um seguro na mão. É pouco mais é certo: disse o lobo, ex-ovelha de um rebanho que foi grande e que cada vez fica menor.
E para garantir a vitória do resgate tentam aprovar uma lei (PLC 122/06) que censura a pregação da Bíblia Sagrada, em nome do "respeito" aos (lobos) homossexuais. Alem de agradar o pendor dos lobos, pode calar o rebanho das ovelhas. Com o diabo não se brinca.
Inovações aparecem a qualquer momento. Assim como houve a explosão das igrejas neopentecostais, hoje, a política social está certa, mas talvez o futuro diga que está errada.
Enquanto isso a verdadeira igreja cristã onde Cristo reina, embora tendo a vida eterna em Jesus, morre todo dia na carne para dar vida àqueles que estão muito mais interessado no futuro do perdão, que no passado pecador.

(Luiz Clédio)
agosto\2008