O CASO ELOÁ E O NAMORO PRECOCE

Por: Psic. Elizabete Bifano
http://www.clickfamilia.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1722&sid=8

Durante os últimos dias o Brasil tem acompanhado o caso da adolescente Eloah Cristina Pimentel, seqüestrada durante cinco dias pelo ex-namorado, Lindemberg Alves, em São Paulo, cujo desfecho foi de um fim trágico, com a morte da menina.
Este caso tem sido debatido pela mídia, principalmente por ter a adolescente 12 anos quando começou o namoro com Lindemberg, com 19 anos na época.
Surgem então os questionamentos: Deve uma adolescente começar a namorar tão cedo? Os pais deveriam ter permitido tal namoro?
Num primeiro momento poderíamos responder simplesmente que não. Uma menina não deveria namorar tão cedo e os pais não deveriam permitir o namoro.
Entretanto, esta é uma situação um tanto complexa. Proibir resolve totalmente a questão? Se conhecemos os adolescentes e, principalmente, os adolescentes apaixonados, teremos de responder que não e analisar os seguintes fatos.
Adolescentes quebram regras, tem uma necessidade enorme de viver suas próprias experiências e não pensam duas vezes antes de mentir ou omitir fatos, principalmente se tem pais muito repressores e exigentes.
Vivemos numa sociedade em que já na creche e pré-escola os pais, professores e coleguinhas formam e incentivam pares de “namorados”. Aos 8 anos praticamente todas as crianças falam sobre seus namorados e os adultos acham engraçadinho.
Crianças de todas as idades vêem todos os dias dentro de suas casas novelas e filmes que mostram o tempo todo beijos e abraços entre os casais.
Os pais estão cada vez mais distantes dos filhos, absorvidos pelo trabalho e as atividades da vida moderna. Não tem tempo nem disposição para longas e profundas conversas. Nos lares cristãos o culto doméstico não encontra mais espaço e a Palavra de Deus fica de lado.
Estas coisas passam a ser valores normais e fazem parte da formação da criança. Portanto, deveríamos esperar que elas estivessem tão aguçadas sexualmente e carentes de afeto e atenção. Adolescentes carentes certamente irão buscar braços que a abracem, bocas que a beijem e ouvidos que lhe ouçam.
Diante de tudo isto e de pais tão perdidos e até desesperados, o que podemos orientar?
A sociedade está errada, os valores estão errados e a família que deseja dar uma formação adequada para seus filhos terá de enfrentar desafios a fim de dedicar tempo a eles. O pai deve dar atenção a sua filha, deve dar afeto e consolá-la em suas emoções.
Desde cedo as conversas em torno do namoro devem ser claras e juntos, pais e filhos, devem combinar qual a idade adequada para começar um namoro.
Devem conversar sobre quantas coisas legais podem fazer antes de se comprometer num namoro. E ainda, os namoros devem sempre ter o objetivo de conhecer um ao outro para o casamento, que não tem lógica namorar só por namorar. O “ficar” está fora dos padrões bíblicos e usar o outro para seu próprio prazer é pecado (1Ts 4.3-8).
Sei que com muito diálogo os pais conseguirão entendimento e acordo com seus filhos. É preciso manter um relacionamento de carinho e respeito mútuos, de obediência e admiração. Isto plantamos desde muito cedo e colhemos na época devida.
Estou certa de que filhos devem obedecer e honrar seus pais (Ef 6.1,2); entretanto, o que os fará tomar decisões certas e escolher caminhos adequados é, em primeiro lugar, ter o temor do Senhor.
Portanto, valores cristãos e Bíblia neles!
Share on Google Plus

About Doutrina Cristã

0 comentários:

Postar um comentário

Não use o silêncio como a melhor forma de dizer Aleluia!
Deixe seu comentário.
Ele é muito importante.
Obrigado