Header Ads

O perigo do esfacelamento.



O perigo do esfacelamento. 

[Ageu 2: 9] A glória futura desta última casa será bem maior que a de antes, diz o Senhor dos exércitos. Neste lugar eu estabelecerei a paz, diz o Senhor dos exércitos.

Quando as coisas permanecem a mesma coisa por muito tempo, enfrenta o perigo do esfacelamento. Como sempre, acontece nessa hora, das pessoas correrem atrás do privilégio da renovação, a fim de que, a glória futura seja bem maior que a de antes. 

Diante disso, somente três coisas podem fazer com que a vida volte a ser vibrante com antes ou mais que isso. E, a principal delas está na renovação do amor como se fora um novo amor; seguido do local em que você coexiste; e, por fim uma moderna aliança religiosa reconstruída como coesão comunitária.

Nisto há alguns perigos a observarmos: O do amor, onde corremos o risco de considerarmos que o melhor no amor seria substituir a pessoa amada por uma nova criatura. Da mesma forma como acontece nas igrejas, que acha que precisa de um novo pastor para que haja avivamento. Isto porem é um grande engano, pois tal atitude demonstra um movimento de rebelião contra as promessas conjugais. Antes procure a face do Senhor em oração suplicando o renovo do amor para não mais ser igual; peça mudança de atitude para evitar o esfacelamento. “Renova-me Senhor no amor!”

Quanto ao local em que moramos, corremos o risco de considerarmos simples demais fazendo-nos construir casas suntuosas; quando, porem deveria avaliar não apenas o lugar como um projeto material, mas, sobretudo como uma concepção social. O importante não é o edifício em si, mas a Aliança familiar renovada dentro dele com Deus ao ponto de sentirmos o Senhor ali conosco anunciando agora mais do que nunca promessa de um destino de paz e gloria em meio à felicidade familiar. Evitemos fazer de nossa casa objeto de adoração onde as coisas poderão ser mais importantes que as pessoas. “Senhor deita em minha casa o teu coração!”

Por fim o risco que corremos em promovermos uma moderna aliança religiosa pode nos levar a outros evangelhos de situação histórica não muito precisa. Uma das tarefas da Doutrina Cristã é determinar o que se podia considerar puro ou impuro, consagrado ou profano (Ez. 44,23). Provavelmente, por acharmos que estamos “frios” em nossa fé podemos nos enganar, achando que estamos como um cadáver, em contato com o qual pessoas e coisas se tornam impuras; é preciso reconstruir nossa fé no Senhor Jesus, eliminando esse cadáver, para que Deus abençoe novamente as colheitas. “Entregue o teu caminho ao Senhor, confia Nele, e Ele tudo fará [Sl.37: 5]

Porque tudo que há dentro do meu coração necessita mais de ti Senhor! A fim de poupar-me do perigo do esfacelamento. Renova-me!

Luiz Clédio Monteiro
Fundador da Rede Social Cristã
Blog [Doutrina Cristã]: www.cledio.blogspot.com





Tecnologia do Blogger.