O perdão é o coração da vida!




O perdão é o coração da vida!

[Mt. 12: 31] “É por isso que eu digo a vocês: todo pecado e blasfêmia será perdoado aos homens”

Muito já se falou do perdão, da sua importância para se recomeçar uma vida. No entanto quero aproveitar o tema para expor um pensamento que me veio enquanto dirigia.

Meditava assim: o perdão de fato é o coração da vida. Sem ele a experiência de viver não persistiria; assim se o perdão cessar suas prestezas, o ensaio da vida perecerá. 

O perdão enquanto dura torna-se vida como fruto do amor; que, juntamente com a alegria, a paz, a paciência, a bondade, a benevolência, a fé, a mansidão e o domínio de si, completa a obra do Espírito Santo [Gl 5: 22-23].   

Continuando pensei: o perdão, no entanto só pode ser fruto do amor; exclusivamente do amor. Porque somente o amor pode gerar tal resultado. 

O perdão não poderia ser fruto da alegria. Pois como fruto da alegria o perdão só exerceria sua função quando houvesse essa contente disposição; mas o perdão como fruto do amor pode perdoar não só os que estão alegres, mas, contudo os melancólicos e enfraquecidos.

O perdão não poderia ser fruto da paz. Pois como fruto da paz, ele só cumpriria sua função se houvesse promessa de acordo de “cessar fogo” nos embates; mas o perdão como fruto do amor, pode perdoar mesmo quando não há reciprocidade de compreensão e paz.

O perdão não poderia ser fruto da paciência. Pois como fruto da paciência, ele só desempenharia sua função quando houvesse calma e despreocupação; mas o perdão como fruto do amor, pode perdoar mesmo quando a resignação não esteja no seu melhor momento, porque o amor não espera resignar-se do abandono para perdoar.

O perdão não poderia ser fruto da bondade. Pois como fruto da bondade, ele só perdoaria os capazes de serem afáveis e amigos, desprezando os inimigos; mas o perdão como fruto do amor, perdoa todos os homens porque o amor não faz acepção de pessoas.

O perdão não poderia ser fruto da benevolência. Pois como fruto da benevolência, ele só perdoaria com efeito à meiguice; mas o perdão como fruto do amor não espera afeição nem muito menos amabilidade para alegrar um coração com a sua anistia.

O perdão não poderia ser fruto da fé. Pois como fruto da fé, ele não atingiria os incrédulos que precisam ver a misericórdia de Deus; mas o perdão como fruto do amor, tudo faz sem nada esperar em troca.

O perdão não poderia ser fruto da mansidão. Pois como fruto da mansidão, o que seria dos brutos, uma vez que os brutos também amam? Mas o perdão como fruto do amor precisa persistir em amar os estúpidos. Só o amor poderia estabelecer tal aspiração.

Por fim o perdão não poderia ser fruto do domínio de si. Pois como fruto do domínio próprio envaideceria seu empregador fazendo-o perder-se na idolatria. Mas o perdão como fruto do amor, humilha-se diante de Deus e Ele o exalta no momento certo pela razão certa.

O perdão não é demagogo que exige publicidade para suas ações. Ele é fruto do amor dos servos de Deus e do Nosso Senhor Jesus. O perdão é o novo representante de Jesus que traz e garante para todos os homens a salvação misericordiosa de Deus.

Como tal Não discutirá, nem gritará, e ninguém ouvirá a sua voz nas praças. Não esmagará a cana quebrada, nem apagará o pavio que ainda fumega, até que leve o julgamento à vitória. E em seu nome as nações depositarão a sua esperança [v.19-21].

O perdão como fruto do amor e, coração da vida é o próprio Senhor Jesus! Amem!

Luiz Clédio Monteiro
Fundador da Rede Social Cristã
Blog [Doutrina Cristã]: www.cledio.blogspot.com

Share on Google Plus

About Doutrina Cristã

1 comentários:

  1. paz meu querido irmão
    muito bom seu texto
    olha se tem um assunto complicado é o perdão,
    porque tem que ser como o perdão do Senhor.
    do seu pecado ñ lembrarei jamais.
    tem que ser desse jeito

    um forte abraço

    ResponderExcluir

Não use o silêncio como a melhor forma de dizer Aleluia!
Deixe seu comentário.
Ele é muito importante.
Obrigado